BIOGRAFIAS

Encontrará aqui biografias, não só de artistas, como dos principais grupos musicais portugueses, ordenados pela primeira letra porque são conhecidos.

Para aqueles que têm páginas próprias, ficará também o link para elas.


ANTÓNIO MENANO

Image of amenano.jpg

Nascido nas faldas da Serra da Estrela de uma família de 12 irmãos, António Menano foi sem sombra de dúvida o mais conhecido e popular cantor de fados de Coimbra. Tal como Hylário, o fabuloso cantor boémio seu antecessor, também António Menano cedo se tornou ídolo  da Academia, enriquecendo o espírito estudantil de Coimbra e a lenda coimbrã de uma certa boémia própria da juventude, de fados e serenatas, misto de arte e romantismo, de sonhos e ilusões. António Menano está tão intimamente ligado ao fado de Coimbra e este a ele que verdadeiramente se não pode dissociar um do outro; falar de António Menano é falar do fado de Coimbra e da chamada década de oiro.
Segundo nos conta João Seabra(N 56, de JAN/FEV de 1944, da Revista Turismo), a lembrança e a saudade de Hylário foram esmorecendo com o tempo mas as guitarras eos cantadores continuaram a ouvir-se no Mondego. Um dia todos os rouxinóis se calaram para ouvir um outro que erguia mais alto os seus harmoniosos trinados, o estudante António Menano. Mais nos conta que a recordação do seu nome traz à memória a loucura que se apossou de Coimbra e, depois, de Lisboa e de todas as terras do País, para ouvirem a sua voz de tenor. Diz-nos ainda que iam a Coimbra milhares de pessoas só para o ouvir cantar e, em Lisboa, nalgumas festas em que participou, mesmo em recintos de grande lotação como o Coliseu e o Jardim Zoológico, os bilhetes se esgotavam e a ansiedade para o ouvir era enorme, tendo-lhe sido prestadas ovações"como raras vezes se fizeram às maiores celebridades líiricas". O DR. João Falcato vai até mais longe e afirma que essas ovações apoteóticas nunca se fizeram às maiores celebridades líiricas(In Coimbra dos Doutores, 1957, pág.169).
Os chamados Irmãos Menano(Francisco, Horácio, António e Alberto) constituiram a mais famosa e fecunda plêiade de finos artistas que passou por Coimbra, precedida no final do séc. anterior por outros dois Menanos,José Paulo Menano e Paulo da Costa Menano(ambos formados em Direito, em 1901 e 1903, respectivamente) que se notabilizaram em récitas e outras actividades artisticas.
Matriculado na Universidade, António Menano vê despontar a sua estrela em Março de 1915, quando canta um fado em Aveiro, num sarau organizado pela Associação Académica de Coimbra, com a participação da Tuna e do orfeon. É nesse ano lectivo de 1914-1915 que se procede à reorganização do Orfeon Académico, agora sob a regência do saudoso Dr. Elias de Aguiar e onde António Menano se torna solista e ensaiador do naipe dos ls tenores, passando também a cantor "titular" de fados e canções nos saraus e outros espectáculos e actividades que se realizavam.
Talves seja importante abrir aqui um pequeno parêntesis para referir que o seu irmão Francisco, exímio guitarrista e excelente compositor, fôra, anteriormente e até concluir o curso de Direito em 1912, ensaiador do naipe dos 2s tenores do Orfeon, quando este era dirigido por António Joyce, e que um dos guitarristas que habitualmente acompanhava António Menano era, além de Paulo de Sá, Alberto Menano, seu irmão. Um outro guitarrista que por vezes também o acompanhou foi o seu irmão Horácio.
Nos anos 20. Artur Paredes foi também um dos seus acompanhantes habituais.
No final desse mesmo ano lectivo, em 10 de Junho de 1915, na festa de homenagem a Camões promovida pelos alunos do Liceu José Falcão, de Coimbra, António Menano foi convidado a participar e, em vez dos habituais fados, surge a cantar um trecho de "Os Lusiadas" que fôra musicado pelo já referido Dr. Elias de Aguiar. É também em 1915 que surge a primeira edição musical com fados da autoria de António menano, "Os três mais lindos fados de Coimbra", publicada pela Livraria Neves, à Rua Larga, com o fado "D'um olhar"("As meninas dos meus olhos"), de Alexandre de Resende, dedicado "ao António Menano", com quadras populares, sendo os outros fados da autoria de António menano, o "Fado da Morenas"("Todos gostam das morenas"), dedicado "ao Estevão Neto", com uma quadra popular e três outras de Fernando Correia, e o "Fado da Noite"("Há quem diga que quem chora"), dedicado "ao J.Gamboa, com cinco quadras de Alfredo Fernandes Martins.

No ano lectivo de 1915-1916, em Fevereiro, na excursão do Orfeon Académico ao Porto, Braga e Vila do Conde, António Menano consagra-se definitivamente como estrela de 1 grandeza do meio artístico coimbrão, acompanhado à guitarra por Paulo de Sá e Alberto Menano.
Os anos de 1917, 1918 e 1919 constituem um periodo relativamente morno em termos de "Fados e Guitarradas", contribuindo talvez para isso o artigo de Manuel da Silva Gaio, ao tempo Secretário da Universidade, publicado na Ilustração Portuguesa de 29-04-1918, pedindo aos estudantes para não cantarem o "venenosos cogumelo do fado, produto originário da viela urbana" e, em vez disso, entoarem as cantigas populares do Orfeon. Curiosamente, este periodo coincide de certo modo com o facto de António Menano ter passado a cantar canções acompanhadas ao piano, em vez dos tradicionais fados que haveriam de ser profusamente divulgados e conhecidos através dos discos de 78 RPM, de edições musicais impressas e de rolos para auto-pianos, consagrando definitivamente para a posteridade o seu nome e o registo da sua voz.
Em 1918 António Menano passa a integrar a Direcção do Orfeon Académico e nas Fogueiras de S.João desse ano novamente canta canções populares portuguesas, com muito agrado e satisfação dos presentes, e não fados.
Em Dezembro de 1919, a Associação Académica de Coimbra promove um sarau musical no Teatro Avenida, organizado pelo próprio António Menano, no qual também participa e cujo programa não contem qualquer fado ou guitarrada. E no sarau promovido pelo Orfeon e a Tuna no Teatyro Sousa bastos também não haveria fados nem guitarradas.
No final de 1919 surge a primeira proibição de se fazerem serenatas: A imprensa local reage contra esta medida policial e a proibição, em vez de acabar com os fados e as guitarras, provoca aparentemente o seu resurgimento.
Entretanto vem a lume uma colecção de edições musicais do "reportório do Orfeon da Universidade", com fados de António Menano("Patriótico", "Da Granja", "Das Romarias", "Do Choupal", "Dos Passarinhos" e "Morena") que alcançaram enorme sucesso, tendo quase todos eles "atingido a 4 edicção antes de 1923, fados que também foram gravados em rolos para auto-piano.
Em Abril de 1923, António Menano, já casado mas ainda não formado, participa na digressão do Orfeon e da Tuna a Espanha, actuando em Salamanca, Madrid e Valladolid. No Monumental Praça de Madrid, na presença dos Reis de Espanha e encontrando-se a praça completamente cheia, António Menano obteve um retumbante sucesso repetindo os fados várias vezes, inclusivé a pedido do Rei, sendo de notar que apesar de não dispôr de qualquer amplificação sonora, a sua voz encheu a praça de toiros, ouvindo-se perfeitamente nos seus famosos "pianissimos", tal o silêncio em que era escutado. A acompanhá-lo estiveram, como sempre, Paulo de Sá e Alberto Menano.
Em Junho de 1924, o Orfeon Académico segue para Paris, onde actua no Trocadero, realizando depois saraus em Toulouse, Bordéus e Bayona. António Menano toma parte na digressão, cantando fados com Agostinho Fontes, acompanhados à guitarra por Manuel Paredes, outro grande guitarrista da época, tio do célebre Artus Paredes.
Concluido o curso de medicina, António menano passa a exercer clinica em Fornos de Algodres, terra natal da família Menano e onde seus pais, António da Coista Menano e D. Januária Paulo Menano, residiam. Embora já formadso, continua muito ligado à vida artistica e académica de Coimbra, onde certas tradições estudantis se revitalizam.
António Menano tornar-se-ia definitivamente o cantor de Coimbra mais conhecido e de maior fama em todo o País com as gravações que fez entre os anos de 1927 e 1929, em Paris, Lisboa e Berlim, para a Companhia Odeon de Paris. De todos os cantores da chamada década de oiro da Academia de Coimbra, António Menano foi aquele que mais discos gravou e maior e mais estrondoso sucesso alcançou. Essas séries de discos têm etiquetas de cores diferentes, lilás, azul,escuro e dourada(alguns discos, muito poucos, têm etiqueta vermelha), tendo sido produzidas muitas e muitas dezenas de milhares de discos que se vendiam ainda depois da II Guerra Mundial. No Brasil, com base nessas mesmas gravações realizadas por processos mecânicos, foi feita pela Trans-Oceanic Trading Company para a Casa Edison do Rio de Janeiro a reprodução, já por processos eléctricos, da maior parte dessa gravações, discos esses a que foi aposta a etiqueta Odeon de côr azul forte e que tiveram muito boa venda. Pena é que o seu espantoso talento de cantôr não se possa aquilatar muito bem através dos discos pois, além das gravações terem sido efectuadas por processos mecânicos, os acompanhamentos de guitarra e viola são, de uma maneira geral, francamente modestos.

Em 1929, por ocasião da célebre Exposição Ibero-Americana de Sevilha, o Dr.António Menano, apesar de já ter concluido a formatura Há alguns anos, foi o cantor escolhido para a "embaixada artistica" enviada pela Academia de Coimbra para actuar no festival oferecido aos Reis de Espanha aquando da inauguração do Pavilhão de Portugal e que era constituida por mais três elementos: Artur Paredes, solista e acompanhador, Afonso de Sousa, 2 guitarra, e Guilherme Barbosa, viola.
Anos depois, em 1933, abandonando voluntáriamente a sua meteórica e impressionante carreira artística, que fôra a mais prometedora da década de oiro(1920-1930), o Dr. António Menano parte para Moçambique onde exerce clinica durante quase trinta anos, pois só em 1961 regressaria definitivamente. A sua última residência foi na Rua José Falcão, n 57, 5 Esquerdo, em Lisboa, onde viria a falecer.
Entre as actuações de António Menano depois da sua ida para Moçambique podemos destacar as seguintes, já que ele continuaria preso para sempre ao seu passado coimbrão:
- Em Outubro de 1956, em Lisboa, no Instituto Superior de Agronomia, na Tapada da Ajuda, no célebre recital que deu, já sexagenário,, e que constituiu um êxito retumbante. O espectáculo estava marcado para a meia-noite, começou às duas horas da manhã e só viria a terminar de madrugada sem que ninguém tivesse arredado pé.  Do Diário de Notícias de 23-10-1956 respigamos o seguinte: "Até madrugada alta, com um céu em que a Lua e as estrelas paradas pareciam acercar-se da Terra, no sortilégio das canções de Menano ressurgiu Coimbra de há quatro décadas." Conclui dizendo:"Sem luz eléctrica nem microfones a voz de Menano, casada coma das violas e das guitarras, brindou Lisboa com uma noite inesquecivel, única. Espectáculo imprevisto e verdadeiramente sensacional..."
- De tempos a tempos aparecia em Coimbra e acabava sempre por cantar fazendo-o em qualquer sitio, desde que isso se proporcionasse; uma noite acabou por cantar nas escadas da secular Igreja de Santa Cruz, "Feita de Pedra Morena", perante o entusiasmo e admiração da multidão que ali logo se juntou e que obrigou a parar o trânsito.
-  Em 1967, dois anos antes da sua morte, teve ainda duas brilhantes actuações que foram bastante noticiadas e ficaram na lembrança. A primeira em Coimbra, na madrugada de 24 de Junho, do alto das escadarias da Sé Velha, por ocasião da reunião do Curso Juridico de 1907-1912, de que fazia parte o Dr. Francisco menano, seu irmão, na serenata monumental que ali teve lugar com a participação de três cantores de uma nova geração, José Manuel dos Santos, António Bernardino e Luiz Góes. António Menano, que veio cantar quatro fados, provocou a maior admiração pela forma maravilhosa como um septuagenário conseguia cantar assim.
-  A sua última actuação pública teve lugar em 16 de Dezembro por ocasião da inauguração em Lisboa da Galeria Rodin, do Pintor Mário Silva, que reuniu muitos antigos estudantes de Coimbra, entre os quais Luiz Góes, Jorge Tuna, João Bagão, Aurélio Reis, Tossan e Vitorino Nemésio. António Menano cantou duas das suas melhores interpretações, o "Fado dos Passarinhos" e o "Fado da Ansiedade".
António Menano morreu em 11 de Setembro de 1969 mas a sua memória perdura na nossa lembrança, e a saudade da sua voz pode ser algo mitigada ouvindo os discos que nos deixou.


Image of eth-hm.gif Image of eth-bk.gif