BIOGRAFIAS

Encontrará aqui biografias, não só de artistas, como dos principais grupos musicais portugueses ordenados pela primeira letra porque são conhecidos.

Sempre que as obtenha, serão incluidas fotos.

Para aqueles que têm páginas próprias, ficará o link para elas.


A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P   Q  R  
S  T  U  V  X  Y  V  W  Z


GLOSSÁRIO FADISTA

Se o fado foi, durante as décadas de trinta, quarenta e cinquenta, a verdadeira canção popular de Lisboa, muitas das tradições e locais que o ajudaram a perpetuar desapareceram e estão hoje perdidos no tempo. Razão mais que suficiente para recordar algumas delas, neste pequeno glossário que pretende rapidamente defini-las.


CASAS DE FADO
Não se trata, ainda, daquilo que hoje conhecemos como "casa de fado". No século XIX a expressão tinha uma conotação negativa, dada a relação do fado com a má-vida, a marginalidade e a prostituição, e referia-se a um bordel ou casa de passe, confinadas a bairros específicos como Alfama ou Mouraria. Progressivamente, contudo, passará a designar casas de espectáculo vocacionadas especificamente para a apresentação séria de música de fado, muitas das quais propriedade de nomes célebres do género e situadas geralmente no Bairro Alto. Aproveitadas igualmente pelo regime salazarista para efeitos turísticos, as primeiras casas de fado datam de 1938 (Adega Mesquita), 1939 (Adega Machado) e 1940 (Luso), numa vocação que se irá institucionalizar progressivamente num circuito muito específico e profissional que agregará à sua volta os melhores cantores e cantoras de fado.

CEGADAS
Sob esta designação escondiam-se folias carnavalescas realizadas por grandes grupos de homens que corriam a cidade cantando e fazendo diabruras.


HORTAS
Por este nome se definiam os perímetros rurais da cidade de Lisboa, para onde aos fins-de-semana os citadinos iam retemperar os pulmões e passar alguns momentos aprazíveis com as famílias (por ex. Estrada de Benfica, Calçada de Carriche, etc.).

RETIROS
Se forem retiros das hortas, tratava-se de restaurantes e casas de pasto, com esplanadas e áreas de espectáculo, para onde os lisboetas se deslocavam ao fim-de-semana. Para manter a clientela, não se limitavam a servir comidas e bebidas, com os fadistas e cantadores a tornarem-se atracções especialmente concorridas. Se forem apenas retiros, significa outra designação para casa de fados, na acepção moderna da palavra.

VERBENAS
Espectáculos de amadores, realizados durante a tarde, muitas vezes em associações ou colectividades de bairro, que ajudavam muitas vezes à revelação de talentos.


Pesquise neste site, por nome ou parte de nome:

Search this site powered by FreeFind

Notas:
- Os elementos aqui apresentados foram retiraddos dos portofólios dos Cd's, de revistas e jornais vários, bem como, e principalmente, da Colecção Inesquecíveis, da Editora Planeta de Agostini.
- As minhas desculpas por qualquer erro ortográfico
.
- Agradecido a quem me queira mandar actualizações ou correcções.


Image of eth-hm.gif Image of eth-em.gif


Last Updated 07-08-2002
Contact Fernando Gil at : fergil@netcabo.pt