A BIBLIOTECA DO MACUA

iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii



LIVROS & AUTORES QUE A MOÇAMBIQUE DIZEM RESPEITO



MIGUEL FARIA PEIXOTO



Image of sinosbe.jpg



PREFÁCIO


Não nos parece que seja frequente reunir numa só obra a variedade de temas e de episódios contidos em "OS SINOS DE S. BENTO". Nela, com efeito, partilhamos o fervor com que o autor cumpriu a sua vocação de piloto comercial; vemos uma bela terra despertar para a riqueza, para a harmonia e para o progresso e assistimos, finalmente, à tragédia do destino nacional traído.
Moçambique - penosa e crepuscular personagem central deste livro - é a substância fulcral em torno da qual se movimentam os personagens, que ao exílio, à prisão e à morte pagaram o preço da alegria da audácia, da elevação do ideal, da devoção do trabalho, porque o futuro se cumpriu no triunfo de um Portugal que debandou, sobre a alma dilacerada do Portugal que soube resistir até à inacção, até ao mais genuíno e puro martírio.
Este livro fascinante participa da amplitude existencial do sino mais humilde e do carrilhão mais pomposo - essas entonações, ao mesmo tempo contemporâneas e remotas, perdidas e redescobertas, que ao longo de uma caminhada de quarenta anos vibram em solos ou em tumultos sinfónicos, que transcrevem, amplificam e reproduzem as dimensões elementares do homem: a dor, a solidariedade e a exaltação.
O Comandante Faria Peixoto, ao decidir o título do livro, enriqueceu-o de uma intencionalidade plena de ressonâncias simbólicas: o piloto-pioneiro sentia o ascender da profundidade da infância reencontrada, como uma música dolorosa e doce, dilacerante e apaziguadora, aterradora e festiva. Esses sinos, que em seu coração ecoavam nos lances alegres e trágicos da longa caminhada aventurosa, um dia, mudaram de tom, tocaram a dobre, porque ele os ouvia - e nós os ouvimos - carregados das vozes inconformadas dos mortos, do suplício das crianças, dos atrozes sofrimentos dos torturados: fúnebre e inconsolados, choravam, e choram, o vil futuro de um país que foi digno.
Todo ele repassado de uma simplicidade patética e deslumbrada, poderá dizer-se que encerra a pureza, as lágrimas, a fecunda angústia que recriam e esgotam a vida, e que, como ela mesma, se dissemina entre a colorida transparência do sonho e a imprevista brutalidade do destino.
Aquilo que Faria Peixoto nos propõe é, afinal, uma viagem, para o que nos alicia é para tomarmos lugar em dois aviões distintos: “Tiger”, o primórdio, “Islander”, o remate. No primeiro vamos sentir o salutar sobressalto do risco e descobrir a palpitante emoção do orgulho, pois que nele voamos sobre os “tandos”, as montanhas e os rios ungidos pelo trabalho dos homens. No segundo, largamos da terra cativa, acenamos aos cadáveres insepultos, aos dramas ignorados, itinerário para o refluxo inaudito.
A melhor forma de explicar, de o definir, seria dizer que todo ele, esse livro empolgante e trágico, mas igualmente tónico e sombrio, rompeu a prisão da elipse, de um arabesco aéreo, no ponto exacto em que a vida recomeça, em que entreabre a porta para a multiplicação das rotas que incessantemente recomeçam.
Alegramo-nos, por isso, de convocar os portugueses para a audição desta narrativa que, num transcurso
quase oral fluindo para a calma espera dos serões a que fomos condenados, para a pequenez a que confluímos, abre uma janela para a esperança, e rasga uma perspectiva para a fé.
Dificilmente, como em "OS SINOS DE S. BENTO”, os motivos de interesse se multiplicam num registo singularmente rico de espontaneidade e emoção, porque nestas memórias de um aviador, que foi dos mais celebrados e audazes de Moçambique, aqueles que não recriam os seus próprios recursos, em cujos corações não retine o eco dos seus próprios dramas, se unirão aos projectos interrompidos dos mortos e à inconformada tenacidade dos vivos, na comunhão da confiança que triunfou dos despenhamentos e da miséria, da fuga e das lágrimas, da dor e da saudade.
Mas para aqueles que não contabilizaram as perdas, não se solidarizaram com os espoliados, não deploraram os mortos, não projectaram no mistério da comunicação fraterna, uma luz no infortúnio dos cativos, este livro abre uma janela inesperada e apela para uma reparação urgente, embora, flagrantemente, não seja essa, de forma explícita, a sua intenção. Voar! Voar! Voar! foi inicialmente, o apelo que Faria Peixoto quis que chegasse, como uma intimação jovial, ao mundo baço e desencantado de uma geração esgotada na marginalidade, molemente confinada à opressão do desespero. Inicialmente, porém, a existência para os portugueses decorria bem diferente: nos antípodas do rebaixamente, no reverso da penúria.
No leito de um hospital, convalescendo do mais aparatoso desastre de que também pôde triunfar, debatendo-se na dúvida de conseguir, com a vida que regressava, poder reiniciar a sua carreira de piloto, começou a imaginar o projecto de confiar as suas memórias à generosidade aventureira de uma juventude que se consumia em deleites mortais. As primeiras páginas, constituem, justamente, o que então não constituía mais que o seu testamento de veterano. Neles se entoam hinos à liberdade do espaço, se canta a beleza do mundo, mesmo quando esse mundo é o leito em que repousa uma irmã tísica, mesmo quando esse mundo encerra, na densa crosta amassada pelo tempo, os amigos perdidos, sepultados com os seus sonhos e as suas perplexidade s.
Entretanto, enquanto voava entre serras, aterrava de emergência, recusava tributo ao medo, o mundo, subtilmente, perfidamente, modificava-se, escoava-se entre os dedos, perdia-se na fluidez sorridente de uma tenebrosa conjura. Teria sido, pois, desejável que o testamento do autor fosse confiado aos portugueses com a graciosa puerilidade de uma história que encontra o seu desfecho feliz.
Já se sabe que desgraçadamente, Faria Peixoto não foi dado como inapto por uma junta médica e que porventura não voltará a olhar, da florida casa de Vila Junqueiro, a frota, poisando e levantando, como abelhas atarefadas, para sugar e elaborar o néctar da terra e do vento.
Naquele projecto inclui-se um drama, uma tempestade cósmica, fusilando coriscos, ribombando ódios, pulverizando vidas.
O leitor vai percorrer esse mundo fascinante e mortal, assumir a sua maravilhada ternura e conhecer o seu nocturno epílogo.
                                                                                                                   
 ABEL TAVARES DE ALMEIDA



Image of ssbent01.jpg

Image of ssbent02.jpg


OS CAPITULOS COM ALGUNS  EXCERTOS



Os sinos de S. Bento
Image of ball2_red.gif

Quando começa o grande entusiamo pelo "ar"
Image of ball2_red.gif

A perda de um grande companheiro e a vida a prosseguir
Image of ball2_red.gif

A miragem de ser piloto comercial da D.E.T.A.
Image of ball2_red.gif

O grande desatre e mais alguns
Image of ball2_red.gif

A aviação séria e a aventura
Image of ball2_red.gif

E era a época dos pilotos aventureiros
Image of ball2_red.gif

O grande surto de desenvolvimento em Moçambique
Image of ball2_red.gif

Como acontece um desastre
Image of ball2_red.gif

A terrível caminhada de um rapaz que quis ser "aviador"
Image of ball2_red.gif

O fim! Moçambique atirada, precipitadamente, para o "abismo"
Image of ball2_red.gif

A fuga!
Image of ball2_red.gif

Epilogo
Image of ball2_red.gif

A época de uma propaganda mentirosa para dar cabo de uma "nação"
Image of ball2_red.gif

Acreditem: Moçambique ainda virá a ser um grande "País"
Image of ball2_red.gif

Apêndice(Legislação não copiada)
Image of ball2_red.gif

Fotos
Image of ball2_red.gif




Contacto: Fernando Gil

Edição de Outubro de 2001

TOP

Image of eth-bk.gif