A BIBLIOTECA DO MACUA

iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii



LIVROS & AUTORES QUE A MOÇAMBIQUE DIZEM RESPEITO



JORGE EDUARDO DA COSTA OLIVEIRA



Image of memorias_africa_capa.jpg


Image of costa_oliveira.jpg
NOTA BIOGRÁFICA
JORGE EDUARDO DA COSTA OLIVEIRA nasceu em Monsul, concelho da Póvoa de Lanhoso, no coração do Minho, tendo feito o curso secundário, com distinção em todos os anos, no Liceu Nacional de Sá de Miranda, em Braga, curso que terminou com a classificação final de dezassete valores. No último ano do mesmo, foi convidado pelo Reitor a discursar na"Semana do Ultramar", tendo dissertado sobre a "colonização lusíada". Ingressou depois no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa, onde desenvolveu intensa actividade académica: vice-presidente da respectiva associação de estudantes no segundo ano, fundador e director da revista dos mesmos,


"Económica Lusitânia", até à conclusão do curso, presidente da assembleia geral dos estudantes e seu representante na Comissão Inter-Associações de Lisboa e Congresso das três academias - Lisboa, Porto e Coimbra. Tendo-se licenciado com a mais alta classificação do seu curso, passou a desempenhar as funções de professor assistente do mesmo Instituto, leccionando, entre outras matérias, a economia dos territórios ultramarinos.
Acumulou, entretanto, as funções docentes com as de investigador da Junta de Investigação do Ultramar (JIU), técnico e, depois, Chefe de Repartição dos Negócios Económicos do Ministério do Ultramar.
  Em Junho de 1961, após os graves acontecimentos do Norte de Angola, foi nomeado Director Territorial dos serviços que superintendiam no Comércio, Indústrias Transformadoras, Inspecção de Actividades Económicas e Estatística. Em Dezembro de 1964 passou a sobraçar, no governo de Angola, a pasta da Economia e, em Setembro de 1969, a pasta do Planeamento e Finanças, de natureza coordenadora, tendo sido o seu primeiro titular, e nela se mantendo até Janeiro de 1973, altura em que regressou a Lisboa por divergências com o Ministério do Ultramar. Durante estes doze anos conheceu Angola o período áureo do seu desenvolvimento, com os maiores índices de crescimento em África.
     Sobre a acção desenvolvida pelo autor durante o período em que viveu em Angola, escreveu Adelino Torres, catedrático de Economia do Desenvolvimento e de Economia Africana, da Universidade Técnica de Lisboa, na enciclopédia Portugal Contemporâneo, volume 2, página 105, que depois do brilhante consulado do Alto Comissário Norton de Matos, somente quarenta anos passados, surgiria em Angola um responsável pela pasta da Economia (o autor) que retomaria, "não sem coragem, o tema do crescimento económico autocentrado e, entre 1962 e o princípio dos anos 70, construiu, por assim dizer, os alicerces de uma nova dinâmica da modernidade". E, no preâmbulo ao livro de Sócrates Dáskalos "Um testemunho para a História de Angola, do Huambo ao Huambo", 2000, pág. 16: "a obra notável de Jorge Eduardo da Costa Oliveira conseguira transformar consideravelmente o panorama económico de Angola". "Os importantes resultados obtidos fizeram de Jorge da Costa Oliveira, a seguir a Norton de Matos, o maior e mais decisivo agente de transformação da economia angolana deste século".
  Uma vez em Portugal, foi inspector superior do Ministério do Ultramar e, seguidamente, do da Coordenação Interterritorial, cabendo-lhe o acompanhamento da actividade dos delegados do Governo e administradores por parte do Estado das empresas concessionárias e de economia mista do Ultramar. Criado, em Janeiro de 1976, o Instituto para a Cooperação Económica (ICE), sob a tutela dos Ministério dos Negócios Estrangeiros e das Finanças, a que incumbia a coordenação económica, financeira e empresarial da cooperação com os países em vias de desenvolvimento, foi nomeado membro executivo da sua comissão instaladora e, uma vez dotado o mesmo de orgânica própria, em 1980, presidente da sua
Direcção, funções que viria a desempenhar durante doze anos até à sua aposentação em Outubro de 1992. Durante este período promoveu a publicação de doze relatórios anuais de actividade do organismo.
  É autor de dezenas de obras e estudos sobre os países africanos de língua portuguesa, designadamente Aspectos de um grande problema nacional (o equilíbrio demo-económico), 1954; Aspectos Económico-Sociais da Ocupação Humana em Moçambique, 1958; Alguns Aspectos da Unidade Económica Nacional (co-autor), 1960; Estudos de Economia
Ultramarina (co-autor), volume n.° 47 do Centro de Estudos Políticos e Sociais (JIU), 1960; Aplicação de capitais nas Províncias Ultramarinas, vol. n.° 50 do mesmo Centro, 1961; Economia de Angola — Os Fundamentos da Política Económica, 1965; Problemas da Economia de Angola, 1967; Economia de Angola —Evolução e Perspectivas (1962-69), 1970; Conjuntura Económica de Angola, 1970; Relatório da Pasta da Economia, obra em 4 volumes com 2264 páginas, editada entre 1970 e 1971; Servindo o Futuro de Angola, volume de 700 páginas publicado quando deixou este território; Textos sobre Cooperação Económica (co-
autor), 1992; A Economia de S. Tomé e Príncipe, 1993; A Cooperação Portuguesa, ISEG, 1995; Cooperação de Portugal com os países africanos, 1997; artigos sobre as relações com os países africanos de língua portuguesa, de 1988 a 2001, no "Economista", Anuário da Economia Portuguesa, órgão da Ordem dos Economistas.
     É Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique (1983), Grande-Oficial da Ordem Militar de Cristo (1992), Grão-Cruz "pró mérito melitensi” da Ordem Soberana  e Militar de Malta, classe especial, Grão-Cruz da Ordem da Estrela da Bandeira da República da Jugoslávia, Grande-Oficial de Mérito das Repúblicas da Itália, da Grécia e da Áustria, Fellow da International Banker Association e membro da Sociedade de
Geografia de Lisboa.
  De Maio de 1994 até ao fim de 2002, já aposentado, foi consultor do Conselho de Administração da IPE — Investimentos e Participações Empresariais, SÁ, holding empresarial do Estado Português (entretanto extinta), ocupando-se das relações desta com os países africanos de língua portuguesa. Quer no exercício destas funções, quer enquanto membro do Governo de Angola e presidente do ICE, promoveu, apoiou ou prefaciou dezenas de obras sobre África, corno consta do texto destas "Memórias".
Em suma, toda uma vida dedicada a África.


UMA PEQUENA AMOSTRA (pág.s 318)



PREFÁCIO
Image of ball_green.gif

DÚVIDAS SOBRE O 25 DE ABRIL
Image of ball_green.gif


TOP

Edição de 2006

Image of eth-bk.gif