A BIBLIOTECA DO MACUA

iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii



LIVROS & AUTORES QUE A MOÇAMBIQUE DIZEM RESPEITO



EDUARDO WHITE



Image of materiai.jpg


Notas de entrada

Eduardo White nasceu a 21 de Novembro de 1963 em Quelimane, Moçambique.
Tem publicados três livros de poesia: Amar sobre o ĺndico em 1984, pela Associação dos Escritores Moçambicanos, O País de Mim, pela mesma Editora em 1989 e com o qual foi agraciado, pela -Gazeta de Artes & Letras» da revista Tempo, com o Prémio Gazeta, e, finalmente, Poemas da Ciência de Voar e da Engenharia de Ser Ave, 1992, Editorial Caminho, Lisboa, Prémio Nacional de .Poesia em Moçambique para o ano de 1995.

Num país, num continente e num mundo ameaçados por novas barbáries e outras tantas «guerras santas», no limiar de uma nova civilização de que perplexos não descortinamos ainda os efeitos, será esta a forma mais eficaz de um poeta nos vir dizer que a rebeldia contra a ordem racional do Mundo é
sempre possível. Para além da apreciação individual que a leitura destes textos possa suscitar, permanece pois a sua função insurreccional. «Um tiro certeiro na cabeça da tristeza» é a metáfora que permite o repouso a esta escrita. Com ela Eduardo White devolve--nos a uma lucidez inesperada e incómoda e à certeza sem remédio de nos sabermos «pequenos, humildes e sem glória». Como se fizesse ecoar uma identidade resgatada de outros versos anteriores e assim erigisse um futuro legado:
«O importante afinal é que viva e que comigo a minha poesia triunfe.»
                                                                                                                                           Fátima Mendonça


Prefácio

O corpo do Indico

     Desde o livro de estreia Amar sobre o ĺndico (Maputo, 1984) que Eduardo White vem trazendo à poesia moçambicana um ingrediente temático que, disperso em muita da poesia que lhe é anterior — de Rui Knopfli e José Craveirinha a Heliodoro Baptista, Eduardo Pitta ou Luís Carlos Patraquim —, se concentra de forma recorrente e obsessiva num discurso próprio que um exacerbado egotismo amplia e que algumas sugestões in-tertextuais confirmam.
           Percepção do Cosmos através do conhecimento erótico ou o reconhecimento do sujeito pela relação erótica com o Cosmos estão no centro da atitude desta poesia, produzida sob a sombra tutelar de vozes anteriores que transformadas nos remetem a outras mais antigas e distantes, como se fosse seu destino prosseguir uma busca milenar.
     Coerentemente, o título Amar sobre o ĺndico elege o objecto maior da poesia de Eduardo White, definido através de uma rede de imagens em que se fundem o corpo erótico e o espaço de que se alimenta: «E hei-de ser o veneno/ o infame selvagem/ o duro seio das rochas/ e moldar no barro a pele que me acolhe.»
     Em O País de Mim (Maputo, 1988) esse objecto determina-se semanticamente e a sua construção opera-se à custa de uma oscilação permanente entre a busca de uma substância. (Eros ou Tânatos?), e a exibição do espaço que limita essa mesma busca: «Não sei se agora/ era um corpo que escreveria,/ ou um país como este que é o meu,/ com feridas fundas/ e vozes de sangue por entredentes».
     É este um texto desconcertante pela insinuante linha narrativa que propõe, a partir da qual a Vida e a Morte, o Princípio e o Fim se conjugam.
     Já anteriormente, num conjunto de textos publicados na imprensa moçambicana em 1986 sob o título genérico de O País de Inês, Eduardo White buscava os contornos dessa matéria: «Este país não pode ser a nave menor e iníqua de ninguém, Inês, não pode ser o morrer tão cedo desta pujança com que nos quisemos no Mundo, pois que nada disto é perfeito e justo sequer, nada disto é a voz com que no princípio nos quisemos agigantados, a fiadeira do destino e da maturação. [...] Vê Inês, o sol de que nos falam, a distanciar--se, cada vez mais, no horizonte, e o lugar das primeiras alegrias, as de Junho, a memória estéril que se dissipa [...].»
     Incapaz de se conter no espaço material do verso, a energia física da escrita de Eduardo White parece ter sido impelida para a forma anunciada por O País de Inês ao retomar em Poemas da Ciência de Voar e da Engenharia de Ser Ave (Lisboa, 1992), a busca de uma matéria primordial articulada com a substância da própria fala, conduzindo a escrita e portanto a leitura para um universo situado do lado de lá da nossa condição racional como se de uma emigração se tratasse, tal como nos propõe Mia Couto em adequado prefácio: «[...] não para outra terra mas para uma raiz vital que nos antecede, a migração do corpo para a alma, da alma para o vento [...]».
     É frequente a utilização do argumento da universalidade para fazer o elogio de poesia assim, pressupondo-lhe um total alheamento do mundo concreto povoado por seres humanos.
     Tal seria o caso se a poesia de Eduardo White se mantivesse na busca ideal de uma substância sem Forma, sem tempo, sem Espaço, em suma, sem História.
           É ainda Mia Couto quem nos adverte para a ilusão desse julgamento quando mostra o embrenhamento da poesia de Eduardo White num espaço e num tempo próprios, moçambicanos, provavelmente índicos.
     Embrenhamento que se prolonga e desenvolve até ao delírio neste livro que agora se apresenta.
     Neste Os Materiais do Amor, a força que dirige a poesia insufla as precisas dimensões a um Tempo e um Espaço definidos por uma linguagem quase secreta, onde o onírico se expande através de um narcisismo (aparente?) simuladamente niilita.
           Na primeira parte do livro a imagem e o ritmo constróem esses materiais fundidos em representações sobrepostas de um (a) interlocutor(a) Mulher/Terra. Que seja ao norte, a Ilha (de Moçambique), o ponto de partida para esta viagem interior é certamente significante. A concentração de sinais vários, as sedas, os búzios, turbantes e filigranas, o séquito ajawa, o curandeiro macua, o pangaio, o m'siro, naus, garças, sob a sugestão marítima do ĺndico, não pode estar aqui dissociada da insularidade que a imagem evoca. Insularidade do Eu e do Outro. Do Corpo e da Terra. Do Nós e da Mátria. Lugar do encontro com Eros, espaço da fusão dos seres, fusão simulada porque só permitida pelo sonho e apenas confirmada do alto da nossa racionalidade pela loucura ou pela poesia: «[...] és uma pedra quase inane, terrena e solar, ilha móvel e desperta, furtiva e lunar, ó meu clarão imprevisível no céu dinâmico do poema, és a redonda residência do mundo [...], agora que eu te canto eu procuro uma mulher que sejas tu, pele osso e raízes, a Roma do mar, o navio das tuas ancas [...]».
     A segunda parte, sob o título O Desafio à Tristeza, constitui um exercício retórico de introspecção, e uma solitária descida a um inferno interior que uma escrita coesa e deliberados referentes poderão fazer supor biográfico: «A mim agasta-me os anos todos que não tive como adolescência, porque casei-me cedo e não amei as fantasias, e não joguei bilhares porque tinha que trabalhar, e não coleccionei as pernas femininas mais famosas dos calendários [...]».
     A essa irónica armadilha deseja escapar a presente leitura destes textos reiteradamente simulacros de realidades oníricas, o que só lhes acrescenta a capacidade de se significarem, contra uma racionalidade univocamente definida.
     Num país, num continente e num mundo ameaçados por novas barbáries e outras tantas «guerras santas», no limiar de uma nova civilização de que perplexos não descortinamos ainda os efeitos, será esta a forma mais eficaz de um poeta nos vir dizer que a rebeldia contra a ordem racional do Mundo é sempre possível.
     Para além da apreciação individual que a leitura destes textos possam suscitar, permanece pois a sua função insurreccional.
     
     «Um tiro certeiro na cabeça da tristeza» é a metáfora que permite o repouso a esta escrita. Com ela Eduardo White devolve-nos a uma lucidez inesperada e incómoda e à certeza sem remédio de nos sabermos «pequenos, humildes e sem glória». Como se fizesse ecoar uma identidade resgatada de outros versos anteriores e assim erigisse um futuro legado:
«O importante afinal é que viva
e que comigo a minha poesia triunfe.»
Inhambane/Maputo, Setembro de 1996.
                                                                                                                                        Fátima Mendonça


OS MATERIAIS DO AMOR

Tu que adormeces as órbitas, a forma primaveril e tolerante do amor, tu que és onde as estrelas são lentas, as flores acordadas, o poema em toda a parte e o sangue e o centro constelar da minha própria casa, tu que és uma mulher e explodes pela beleza de ser isso, o cristal iluminado de algum rosto swahili, tu a quem a fundo gravita o açúcar nas furnas da pele, tu que és uma lua e um relâmpago e o corpo arrancado de alguns versos calados, tu que floresces pelos cabelos e és argila e és Sol e a ave suspensa em sua perícia, tu que trovejas em movimento e és nocturna e eminente, tu que és bálsamo ou vinho e a canábeis do fogo e do corpo, as vértebras da frescura, a imagem do sagrado, tu que és um felino fugaz e que não se engana sobre a harmonia de uma savana, quero dizer-te que estou chegado, e trago as veias e a boca informuladas, umas guelras para que dentro do teu ventre eu respire, não do modo altíssimo e belo como o trazes deitado, mas no amor tecedeiro, na aranha intensa e doméstica que és, na rosa inominável e acordada que pelo seu perfume exala a demência toda de amar-te que eu sou.
Eu quero uma alma para ti que seja de outra ciência e tenha por corpo o corpo que eu queria. Quero uma alma onde possa descansar a minha, que consinta demorar-me no brilho estranho que só as janelas têm e onde igualmente possa chorar a minha trágica fatalidade de poeta. Quero uma alma azul para ti e um país com ruas também, com homens e mulheres bonitas, com bêbedos e prostitutas, com operários pela manhã vociferando
……………………………………………………
Por isso é que as respostas não existem e eu estou aqui a matar-me sem razão aparente para o fazer. Contudo, se isto continuar, vou agarrar na palavra revólver e espetar um tiro na cabeça da tristeza. E então voltarei a sorrir, a emprestar um brilho consequente aos meus dentes amarelecidos, a ter razões para estar onde nunca estive a sonhar com isso e a deitar-me fisicamente ao acaso na paisagem dos versos que pressinto. Um tiro certeiro na cabeça da tristeza é tudo quanto basta para a emoção desse desafio devolver-me à realidade de saber-me homem, mesmissimamente igual a tantos outros:   pequeno, humilde e sem glória.
Homem só.   Mais nada.

                                                                                                   FIM


Edição de 1996

TOP

Image of eth-bk.gif